30 Seconds to Mars: São Paulo 2011

(Foto: Patrícia Tralli)
(Foto: Patrícia Tralli)

SHOW 

Patrícia Tralli e Júlia Jups 

Vinte e sete de Março de 2011: data memorável para qualquer fã de 30 Seconds to Mars que esteve no HSBC Brasil. Inclusive pelo show de abertura em inglês incompreensível no qual Katy Perry era interpretada em um semi-forró-techno por uma mulher desconhecida por quase todos que lotavam o local. Se um show de abertura tem como objetivo colocar o público no clima e pilhado para o que vem a seguir, esse com certeza não cumpriu seu objetivo. 

A emoção veio mesmo com 20 minutos de atraso quando do palco escuro surgiram as primeiras notas de “Escape” e o público viu na sua frente o principal soldier da banda, Jared Leto. Vestido com a jaqueta azul característica da tour “This is War”, o visivelmente gripado Jared empolgou o público do começo ao fim sem perder em nenhum momento a energia e carisma que o conectam a seus fãs. Seguido de “Night of the Hunter” e “A Beautiful Lie”, a quarta música fez o público terminar de enlouquecer ao coro de “This is War”. 

(Foto: Júlia Jups)
(Foto: Júlia Jups)

O momento acústico de Jared com seu violão roubou a cena com cinco músicas e foi impossível não se emocionar em “Alibi”, para lavar a alma. Conversando com os fãs, engatou “The Kill” e chamou os companheiros Shannon e Tomo para a versão elétrica que sofreu um pouco com problemas técnicos. E sim, aconteceu o que muitos estavam em dúvida se aconteceria mesmo: Jared subiu na grade da pista VIP e se debruçou sobre os fãs, rapidamente tendo a sua camiseta rasgada e sendo obrigado a terminar a música sem ela. Brincalhão, a todo o momento conversou com público, inclusive sobre o último clipe lançado (“Hurricane”) e mandou que todos que gostaram do clipe se confessassem em uma igreja! 

Única música do 1º CD, “Buddha for Mary” fez parte do set acústico e do repertório de brincadeiras de Jared. Muitos (como eu) ficaram esperando por “Edge of the Earth” e “Capricorn” que seriam as outras músicas mais conhecidas do 1º álbum, mas ficaram só na vontade. 

Claro que pudemos conferir também todo talento do Crazy Mofo Tomo na guitarra com notas que sugaram a alma e toda a violência de Shannon Leto na bateria, que, aliás, não ficou devendo nada para seu irmão no quesito energia e empolgação. A penúltima música, “Closer to the Edge” era uma das mais esperadas, e levantou o público que em coro de “No no no!” tornou certeza de que aquele show não seria esquecido facilmente. 

Luzes apagadas e um minuto de ansiedade precederam “Kings and Queens”, não antes de Jared escolher pessoalmente as mais de vinte pessoas da pista VIP para se juntarem ao palco com o pessoal do “Golden Ticket” (ingresso vendido em dólares pelo site do grupo dando direito a assistir o show em uma área reservada ao lado do palco). “Kings and Queens” deixou um gostinho de quero mais e a única decepção, fora o show de abertura, foi não terem começado o setlist de quase duas horas novamente para que a noite não acabasse. 

Link: 

Site Oficial 

 

  

Patrícia Tralli e Júlia Jups são educadoras por formação, amantes da boa música por opção. 

One Response to “30 Seconds to Mars: São Paulo 2011”

  1. brigada pelo espaço, Ciro! e parabéns Pati pela teimosia no rock! ;)

Leave a Reply