Van der Graaf Generator – A Grounding in Numbers

CD REVIEW

Ciro Hiruma

Muitos fãs se assustaram: Van der Graaf Generator mixado por Hugh Padgham? CD com treze faixas?

A clássica banda de rock progressivo que atingiu seu auge nos anos 1970 não errou nas escolhas. Embora Padgham seja bem conhecido por trabalhos como produtor do Police, Sting, Paul McCartney, McFly, seu currículo profissional na cena progressiva merece destaque. 

Ele foi o responsável por álbuns de Peter Gabriel, Genesis e Kate Bush, entre outros. Como engenheiro de som em Drama, do Yes, teve a oportunidade de usar sua famosa técnica gated drum, capaz de deixar a bateria nítida e ao mesmo tempo potente, visceral. Uma reunião de reverberação, compressão e noise gate, efeitos de estúdio empregados de uma forma única, característica, a “marca” Hugh Padgham. É exatamente este punch e vibração que ele traz para A Grounding in Numbers.

A banda é formada por Peter Hammill (voz, piano, guitarra e baixo), Hugh Banton (teclados, baixo, guitarra e bass pedals) e Guy Evans (bateria e percussão – guitarra em “5533″). Desde 2007 (com a saída de David Jackson) o VdGG é um trio, poderoso o suficiente para comprovar o motivo de sua longevidade.

Superstições à parte, treze músicas não é um número de azar, mesmo que o ouvinte seja adepto das grandes suítes progressivas, que não raro ultrapassavam os 10 minutos de duração como acontecia no passado do grupo. As composições estão na medida certa.

“Your Time Starts Now”, que abre o CD, lembra a carreira solo de Hammill, em especial a fase conhecida como “be calm”. É uma introdução sóbria e lenta que desperta a expectativa do ouvinte para o resto do repertório.

Van der Graaf Generator

Van der Graaf Generator

“Medusa” é um momento singular. Traz uma influência circense, festiva, misturada a um tom “casa do terror de parque de diversão”, sinistro e irônico. Parece um contra-senso, mas fica claro após a audição. Deseja um paralelo atual? A canção “Disappear” de Six Degrees of Inner Turbulence da banda norte-americana Dream Theater.

O Van der Graaf sempre teve afinidade com o som de outro ícone progressivo, o King Crimson, liderado pelo guitarrista Robert Fripp, que participou como convidado dos álbuns H to He, Who Am the Only One (1970) e Pawn Hearts (1971). Certas faixas de A Grounding in Numbers lembram este estilo crimsoniano, mudanças súbitas de andamento, explosões heavy metal, como se pode notar em “Embarassing Kid” e “Highly Strung”.

“Mathematics” parte do princípio do matemático e físico suíço Leonhard Euler, que propõe uma relação entre as ciências exatas e a música, um conceito interessante. O vocal de Hammill apresenta uma passionalidade notável e se mantém em ótima forma, após todos estes anos.

Existem músicas em que a descontração ganha espaço. A banda se sente à vontade para variar e incluir um quase blues em “Splink”, com direito a slide guitar, dissonâncias sonoras e percussão vibrante. “Smoke” tem um suingue próximo ao soul ao mesmo tempo em que recorda o clássico “A Plague of Lighthouse Keepers” (1971).

Tem jazz com um excelente trabalho de Evans em “5533”. Os teclados envolventes de Banton na leve e simples “Mr. Sands” servem como contraponto para momentos soturnos, climas de suspense em “All Over the Place” e “Red Baron”. Se o assunto fosse cinema, certamente seria um film noir.

A mixagem de Hugh Padgham apresenta dois aspectos distintos e curiosos, herança da gated drum: o som é cristalino, cada instrumento pode ser ouvido com perfeição. Por outro lado, a soma de todas as partes produz uma sonoridade concentrada, sólida. Quem curte Beatles pode se lembrar do wall of sound do produtor Phil Spector (de Let it Be, dos Beatles), uma ótima comparação.

Resultado: A Grounding in Numbers não é uma obra-prima. Mas mostra que o Van der Graaf Generator vive o presente. Os músicos estão em sintonia, com a maior disposição. Não se trata de um projeto caça-níqueis, como tantos que existem hoje. Eles tocam por prazer, injetam potência e energia em suas composições e jamais esquecem que a criatividade é fundamental.

Link:

 Van der Graaf Generator and Peter Hammill Official Site

Leave a Reply