Night Ranger – Hole in the Sun

CD ReviewHole in the Sun

 

O sonho americano está de volta

 

Ciro Hiruma

Qual a melhor representação do american way of life? A bandeira dos Estados Unidos, cheerleaders, hot dog, as fraternidades estudantis e suas estonteantes beldades, futebol americano (não confundir com o “nosso soccer”), astronautas da NASA. Nos anos 80, havia uma trilha sonora ideal para esta proposta, e a banda em questão era o Night Ranger.

Toda esta ideologia norte-americana está presente nos clipes, capas de álbuns e nas letras das músicas da banda. O convite para compor o tema do filme O Segredo do meu Sucesso, com Michael J. Fox, outro ícone dos “anos dourados”, não foi simples acaso.

A música do Night Ranger seguia duas tendências: pop e acessível, principalmente no vocal e composições de Jack Blades. Mas resgatava altas doses de hard/heavy rock através dos virtuosos guitarristas Jeff Watson e Brad Gillis. O baterista Kelly Keagy respondia pelo equilíbrio: a condução rítmica sólida e pesada cedia espaço para o seu vocal nas baladas, como no clássico dos clássicos, “Sister Christian”. Alan Fitzgerald, teclados, era o veterano que injetava leves elementos de rock progressivo ao som.

Em 1989, divergências internas resultaram na gradual dissolução da banda, que foi perdendo os músicos originais. Mas a formação clássica voltou aos estúdios em 1997 com o CD Neverland, sucedido por Seven (1998), este último bem distante do som habitual do grupo, menos virtuoso e com influências do Aerosmith, o que não deixa de ser inusitado. Por este motivo o CD não foi muito bem recebido pelos fãs.

O Night Ranger está de volta com Hole in the Sun, a formação completa exceto o tecladista Fitzgerald, que cedeu seu lugar para Michael Lardie. Não foi uma grande mudança, os teclados aparecem pouco neste álbum. O nível dos decibéis aumentou, a porção hard ganhou espaço e diminuiu o lado pop. Resultado: não é hora para saudosismo, os músicos vieram para mostrar que estão em ótima forma e continuam compositores notáveis.

Night Ranger

“Tell Your Vision” abre o CD com uma breve levada techno, para inserir uma certa atualidade. Em seguida os riffs de guitarra entram com um peso avassalador, Keagy conduz a bateria com uma batida precisa e vigorosa, os vocais estão mais agressivos em relação ao passado.

A velocidade aumenta em “Drama Queen”, que traz o conhecido duelo de guitarras entre Jeff Watson e Brad Gillis, solos alternados repletos de técnica e dinâmica impressionante. A letra não foge ao tema habitual do grupo: a garota problemática, a “rainha do drama”, que tem problemas de relacionamento e tem medo de acabar sozinha. Tudo com uma grande dose de ironia.

Aliás, o tom irônico também aparece em “Rockstar”, que retrata a vida do músico que se expõe na mídia e precisa saber diferenciar: qual é a sua personalidade real e qual a imagem que o público faz dele? Aqui os sintetizadores aparecem de leve na introdução e um trecho hip hop pode ser ouvido em um breve diálogo. Mas o hard rock é a base da composição.

A banda não perdeu sua marca registrada: melodias com refrão marcante que não desgruda da memória. É o que acontece em “You are Gonna Hear from Me” e “Whatever Happened”, que ressalta o trabalho de baixo de Jack Blades. São músicas que representam o melhor da tradição do grupo.

Não existe álbum do Night Ranger sem baladas. “There is Life” tem uma introdução de piano e recebe doses graduais de peso. “Fool in Me” investe no acústico, a percussão de Kelly Keagy é o destaque e o violão comanda a composição. “Revelation 4AM” lembra um clássico da música dos anos 60, “Can´t Find My Way Home”, do Blind Faith. Trechos tranqüilos abrem espaço para a muralha maciça e eletrificada das guitarras. 

“White Knuckle Ride” acrescenta inovação, se aproxima do thrash metal no estilo Metallica, porém o ritmo é mais complexo e variado, chega a lembrar o Dream Theater com a intervenção dos teclados. Watson se encarrega dos solos e deixa os riffs vertiginosos para Gillis. Haja distorção!

Como geralmente acontece nos álbuns do grupo, a última faixa é leve e relaxante. “Being” traz bons vocais aliados a um acompanhamento sóbrio de violão e climas sutis via sintetizadores.

A proposta de Hole in the Sun deu certo, mas Jeff Watson decidiu sair da banda logo após as sessões de estúdio. Seu atual sucessor, Joel Hoekstra, é o guitarrista ideal para manter o sonho americano na ativa.

Links:

YouTube (para assistir os grandes sucessos da banda)

Visite a home page oficial do Night Ranger

Leave a Reply