James LaBrie – Static Impulse

CD REVIEW

Ciro Hiruma

Basta colocar a primeira faixa para rodar, “One More Time”, e levar um grande susto: a gravadora se enganou, colocaram o CD errado na caixinha! Que é isso, Damage Inc.? É um tremendo death metal com vocal gutural que não tem nada a ver com James LaBrie. Até que 30 segundos depois parece que tudo voltou ao normal, lá está a voz do Dream Theater e sua marca registrada.

Static Impulse revela a surpresa que o cantor e seu parceiro de longa data, o tecladista Matt Guillory, pretendiam: mudar o (ótimo) esquema que vem desde o tempo do Mullmuzzler, dar uma guinada e criar um mix do tradicional prog metal com uma dose extra de peso. Após o choque inicial, é possível notar que a fórmula realmente funciona.

O tom gutural é do baterista Peter Wildoer, da banda sueca Darkane, que complementa o vocal de LaBrie, dois opostos que se atraem e se combinam muito bem. Talvez a melhor explicação esteja na composição “Jekyll or Hyde”: duas personalidades totalmente distintas, porém, a mesma pessoa. Ou, no caso, uma mesma identidade musical. Completam a banda o guitarrista Marco Sfogli, que atuou no CD anterior do cantor, Elements of Persuasion, de 2005, e o baixista Ray Riendeau, que faz parte da banda Halford, o vocalista do Judas Priest.

As músicas se aproximam no máximo dos cinco minutos. E não precisa mais do que isto para mostrar que o time sonoro está entrosado. Um fato que merece atenção é o grau de sofisticação de James, seu ecletismo vocal. Em “This is War”, por exemplo, enquanto a banda detona todo o peso e velocidade a que tem direito, o cantor varia desde o sussurro, leveza, agressividade, vai até o seu limite e não se deixa empolgar além do necessário. 

E as músicas ainda têm uma veia pop em meio a todo este arsenal heavy. “Just Watch Me” conta com piano e um vocal bem sutil de LaBrie na abertura. O baterista mostra que sabe utilizar sua técnica, não é apenas rápido e pesado. Assim como o refrão de “Who do You Think I am”, daqueles que ficam na memória. Porém, o momento que melhor representa a direção pop é “I Tried”, excelente composição que abre maior espaço para os teclados. A guitarra dispara seus riffs, mas cria climas que sustentam os trechos em que prevalecem a bateria e o baixo. Equilíbrio perfeito.

(Divulgação/ Foto: Dave Lepori)

(Divulgação/ Foto: Dave Lepori)

“Mislead” é outro ponto alto do CD. Guillory está no controle, mas a banda toda eleva a música a um bloco sólido de velocidade, abre caminho para um breve e mais do que eficiente duelo de guitarra e teclado, bateria ensandecida. Faixa demolidora.

“Over the Edge” bem poderia estar em um CD do Mullmuzzler. Scolfi diminui a distorção e lembra o estilo de Mike Kennealy.

É claro, não poderia faltar a famosa balada, especialidade de James, quem o conhece sabe que é um mestre no assunto. “Coming Home” não decepciona, ao contrário, o cantor realmente manda bem. E Matt Guillory garante um bom espaço para suas teclas.

Duas músicas poderiam estar no repertório do Dream Theater: “Euphoric” começa lenta, sombria, lembra Scenes of a Memory, momentos de suspense e tensão no ar antes de aumentar o peso. “Superstar” é o contrário, começa a toda velocidade e depois reduz o ritmo. Lembra “A Rite of Passage” de Black Clouds & Silver Linings, o background dos teclados ao fundo, os riffs de guitarra.

A edição limitada traz dois bônus que despertam o interesse. A demo de “Jekyll or Hyde”, uma versão mais “crua”, que ajuda a entender o processo de criação e finalização da música. E o mix alternativo de “Coming Home”, que realça mais o lado acústico da canção e deixa os sintetizadores em segundo plano.

James LaBrie está longe de ser unanimidade entre os fãs do Dream Theater, mas é fundamental dentro do grupo. Sua voz fornece boa parte da identidade sonora, é possível reconhecer seu estilo à distância, é inconfundível. Seja Mullmuzzler, Frameshift, Winter Rose, Roswell Six e todos os projetos em que participou.

É bom saber que após todos estes anos a criatividade está presente nos músicos do Dream Theater. No caso do vocalista foi um lance ousado que funcionou na medida exata.

Me surpreendam que eu gosto!

Link:

James LaBrie Site Oficial

Leia também:

Dream Theater – Turnê Brasileira 2010

OSI – Blood

Jordan Rudess – Notes on a Dream

Derek Sherinian – Molecular Heinosity

Leave a Reply